fbpx

Areco Sistemas Empresariais

Redução de custos na indústria de cosméticos é um dos maiores desafios de gestão. Não basta, porém, eliminar obrigações financeiras sem, antes disso, avaliar o impacto do corte na performance da operação. É preciso entender as demandas corporativas, identificar os eventuais gargalos e, só então, tomar medidas coerentes para otimizar os recursos.

O método mais confiável é, sem dúvida, a análise de relatórios, balanços e dashboards. Ao extrair dados internos, organizando-os em filtros customizados e alinhados à visão desejada, o gestor tem acesso a uma radiografia completa de seus processos, validando resultados em todas as esferas da operação — do chão de fábrica ao fiscal.

Com isso em mãos, a estratégia de redução de custos ganha forma e consistência, maximizando o êxito dos ajustes e evitando impactos negativos nas rotinas. Confira, agora, as principais dicas para cortar despesas com mais segurança e efetividade!

Padronização de processos para reduzir custos na indústria de cosméticos

Padronizar processos significa minimizar desvios. Quando se trata de uma estrutura empresarial, esse tipo de movimento contribui para evitar transtornos e prejuízos, mantendo as operações sob controle. É fácil entender o porquê: com um fluxo predefinido de ações sempre à mão, os profissionais não precisam refletir sobre cada etapa do processo, o que acelera as entregas e assegura a qualidade dos itens acabados.

A padronização permite, ainda, a uniformidade dos acompanhamentos gerenciais. Ao estabelecer critérios na produção, por exemplo, é possível fixar modelos de análise e manter a correlação dos relatórios. Se, a cada turno, são produzidas duas mil unidades de determinado creme, o sinal de alerta soará se, certo dia, a produção no período cair para mil frascos.

Em situações assim, a resposta deve ser rápida e assertiva. É provável que haja algum problema nas máquinas ou, então, que a matéria-prima necessária tenha se esgotado. Em ambos os casos, surge a evidência de problemas no planejamento ou na execução dos processos, despertando a necessidade de repensar as diretrizes da empresa.

Otimização de compras

O departamento de Compras tem uma missão estratégia na indústria de cosméticos: negociar os melhores insumos pelos melhores preços, reduzindo custos com reposição de materiais.

Muito embora o trabalho seja, de fato, desafiador, há uma boa notícia. A tecnologia de gestão pode ajudar, assegurando que todos os dados necessários às táticas de reabastecimento estejam à disposição do analista, responsável por perseguir (e garantir) condições mais atrativas.

É possível, por exemplo, consultar o histórico de demanda sazonal para corroborar a estratégia de compras. Aumentando ou reduzindo o pedido de acordo com as expectativas de venda. Além disso, o IQF (Índice de Qualidade do Fornecedor), calculado por meio de critérios de excelência, fornece insights valiosos para que os profissionais priorizem a parceria com empresas confiáveis, capazes de cumprir com os prazos estabelecidos e de entregar materiais de qualidade, assim cooperando para reduzir custos na indústria de cosméticos.

Outro recurso importante aos compradores é o ressuprimento automático. A ferramenta automatiza a emissão de Ordens de Compra de acordo com a notificação sistêmica de baixas no estoque, solicitando orçamentos e acelerando a reposição do estoque. Ao capital humano, cabe, portanto, a tarefa mais estratégica: negociar condições de forma a otimizar os custos.

Controle de qualidade

A ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) é o órgão que regula e fiscaliza a produção de cosméticos. O primeiro passo para o controle de qualidade é obedecer às normas da instituição, fornecendo todos os laudos necessários.

O ERP, enquanto sistema integrado de gestão, é aderente às indústrias de cosméticos e favorece a emissão dos laudos exigidos pela ANVISA. O software também personaliza a engenharia de produtos, detalhando processos e materiais de modo a otimizar a utilização de recursos — sejam eles físicos, financeiros ou humanos. Evitando, assim, desperdícios ao longo de toda a linha produtiva.

Ainda que a confirmação da qualidade seja a última etapa da produção, liberando o lote para armazenagem interna até que haja a separação de venda, a verificação da conformidade não deve ser encarada como uma atividade isolada. Pelo contrário! Do componente vegetal à embalagem do creme, todos os insumos, bem como as combinações subsequentes, devem ser submetidos a um olhar rígido de qualidade, impedindo que os prejuízos se acumulem ao fim da cadeia.

A redução de custos na indústria de cosméticos perpassa, é claro, pela maximização dos recursos. Não basta eliminar despesas pontuais para reduzir custos na indústria de cosméticos, tais como treinamentos extras e fretes especiais, e esquecer a torneira aberta no chão de fábrica. Os relatórios globais, gerados a partir do ERP, facilitam a identificação de gargalos e endossam a postura necessária para repará-los de imediato.

Acompanhamento de estoque para redução de custos na indústria de cosméticos

A boa gestão do estoque é essencial a qualquer empresa, independentemente do segmento em que atue. Na indústria de cosméticos, no entanto, a administração dos produtos acabados deve ser ainda mais cautelosa e eficiente: negligências e descuidos podem gerar prejuízos significativos — além de irrecuperáveis — aos cofres corporativos.

A própria natureza do produto explica a particularidade da circunstância. Cosméticos têm prazo de validade e precisam chegar ao ponto de venda com certa antecedência, assegurando a saúde do giro de estoque do revendedor.

Para evitar perdas, é válido definir uma metodologia dinâmica de escoamento. O FEFO (first expire, first out), por exemplo, estabelece que a separação de pedidos deve seguir um critério específico: os que expiram primeiro. Ou seja, os itens com prazo de validade mais curto — devem ter prioridade.

Não basta, porém, implantar o método e esperar que ele seja espontaneamente seguido pela equipe, eximindo as lideranças da tarefa de viabilizar suporte integrado à atividade cotidiana. A melhor forma de viabilizar o cumprimento das normas é sistematizar todo o processo.

Na prática, o FEFO deve ser fixado como um padrão operacional no sistema de gestão. Dessa forma, a cada novo pedido de venda registrado, o software gera automaticamente a posição do produto que deve ser separado. Ao visualizar o número de prateleira e o lote do item, tudo o que precisa fazer é se dirigir ao estoque e encontrar o produto. Minimizando a incidência de erros, reduzindo perdas e favorecendo o giro de estoque mais lucrativo possível.

Atenção: Se você está enfrentando problemas e acredita que o descontrole de custos pode ser o motivo do desequilíbrio no fluxo de caixa da sua indústria de cosméticos, é hora de expandir a sua visão estratégica.

Write a Reply or Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado.




Enter Captcha Here :